A grande cidade suméria de Uruk: Uma antiga potência cultural, tecnológica e arquitetônica

Autor: Wu Mingren Traduzido por: Rafael Barros Casa de Gilgamesh, Uruk era a principal força de urbanização e para a formação de um estado durante o IV milênio a. C. Na Epopeia de Gilgamesh conta-se que o rei construiu as monumentais muralhas da cidade. Pode ter algo de verdade nessa lenda, já que as muralhas,Continuar lendo “A grande cidade suméria de Uruk: Uma antiga potência cultural, tecnológica e arquitetônica”

Gilgamesh – O semideus que buscou a imortalidade

Tudo se inicia numa noite de dezembro de 1853, quando Hormuzd Rassam, um arqueólogo iraquiano, encontrar-se com o lendário palácio do rei assírio Assurbanipal (668-627 a.C.). No entanto, um tesouro maior fez zoar os alarmes, ao perceber o grupo do mando de Rassam entre as relíquias encontradas, foram detectados “milhares de tabuletas de argilas cobertasContinuar lendo “Gilgamesh – O semideus que buscou a imortalidade”

A verdade sobre os Anunnaki: os mitos dos Nefilins e os gigantes na história da humanidade – Parte II

Afigura-se essencial na Teoria dos antigos astronautas e na narrativa do autor Zecharia Sitchin um grupo de seres míticos conhecidos como os Anunnaki, que segundo Sitchin cruzaram seu próprio DNA como o Homo erectus para criar a humanidade, com a intenção de utilizar os seres humanos como escravos para extrair ouro e outros minerais dasContinuar lendo “A verdade sobre os Anunnaki: os mitos dos Nefilins e os gigantes na história da humanidade – Parte II”

Os Anunnaki: Quem foram esses misteriosos seres da mitologia suméria? – Parte I

Na era moderna tem sido testemunha de um incrível aumento na popularidade de todo tipo de publicações nos meios de comunicação sobre a mitologia da antiga Mesopotâmia. Promovendo essa crescente tendência estão os testos de vários pesquisadores que propõem conexões entre os diversos ciclos dos mitos sumérios e a teoria de que a raça humanaContinuar lendo “Os Anunnaki: Quem foram esses misteriosos seres da mitologia suméria? – Parte I”