Lilith: A mulher que desafiou o plano de Deus

Algumas fontes a descrevem como um demônio, outras como uma divindade obscura dos pagãos, símbolo da liberdade e rebeldia contra uma ordem estabelecida. Lilith é uma das figuras femininas mais antigas do mundo, de origem mesopotâmica, na tradição judia se o considera a primeira esposa de Adão, antes de Eva. Segundo a lenda, negou-se a obedecer aos caprichos do primeiro homem sobre a Terra e abandonou o Éden por iniciativa própria, desafiando assim o próprio Yahvé.

Demônio sumério antigo

O nome Lilith vem da palavra suméria lilitu, que significa “espirito do vento” ou “demônio feminino”. Lilith é mencionada na Tabuleta XII do Poema de Gilgamesh, a obra épica mais antiga conhecida, com uma idade superior aos 4.000 anos.

Contam que Inanna mandou chamar Gilgamesh porque seu salgueiro sagrado não dava ramas nem folhas, pois em suas raízes tinha ajudado a serpente que não podia ser encantada, em seu trono Lilith havia criado sua casa e em sua copa o passado Anzu se havia instalado com seu filhote. Então Gilgamesh matou a serpente e talo a arvore, de modo que Anzu fugiu com seu filhote nas montanhas e Lilith destruiu sua casa e voou nas terras selvagens e desabitadas. Igual que, segundo as escrituras hebraicas, também se foi voando do Éden porque não suportava o Adão, já que não estava de acordo com suas pretensões de demônio para cima dela.

Esse mito pode ser a origem das representações gráficas de Lilith como uma bela mulher desnuda que sustenta o anel e a vara do poder, tem asas e mostra patas de pássaro no lugar de pés.

A Lilith mesopotâmica está relacionada com a deusa Inanna (o Ishtar para os babilônicos e assírios) ou bem se trata de uma divindade auxiliar sua, ou bem se trata de um aspecto concreto e “juvenil” da própria Inanna. Imagem: “A Rainha da Noite” tabua de terracota, Museu Britânico.

No Talmud babilônico Lilith é descrita coo um espirito obscuro com um incontrolável e perigoso apetite sexual. Se diz é a mãe de centenas de demônios produto de se ter fertilizado a si mesmo com esperma de homem.

Hititas, egípcios, gregos e romanos a conheciam igualmente. Em tempos posteriores, migou para o norte da Europa, onde foi relacionado com o caos, a sexualidade e a magia. Sua lenda também se mescla com as primeiras histórias sobre vampiros.

A primeira mulher que disse NÃO

A origem da lenda que apresenta a Lilith como primeira mulher encontra-se numa interpretação rabínica do Genesis 1, 27. Antes de explicar que Yahvé deu a Adão uma esposa chamada Eva, formada a partir da sua costela, o texto diz: “Fez, pois, Deus ao homem a sua imagem, a imagem de Deus o criou, homem e mulher os criou”, se bem hoje costumam se interpretar isso como o mesmo feito explicado duas vezes, outra interpretação possível é que Deus criou em primeiro lugar uma mulher a sua imagem, formado ao mesmo tempo que Adão, e só mais tarde criou da costela de Adão e Eva.

Segundo as escrituras hebraicas, Lilith se foi voando do Éden por que não suportava o Adão, já que não estava de acordo com suas pretensões de domínio para ela”

O Genesis Rabba, midrás sobre o livro do Genesis, compilado no século V na Palestina, saliente que Eva não existia ainda no sexto dia da Criação. Então Yahvé tinha disposto que Adão desse nome a todos os animais, aves e outros seres vivos. Quando desfilaram ante ele em casais, machos e fêmeas, Adão que já era um homem de vinte anos, sentiu ciúmes de seu amor, e embora ele copulado com cada mulher por turnos, não encontrou satisfação no ato. Por isso exclamou: “Toas as criaturas tem o casal apropriado, menos eu! ”, e suplicou à Deus que remedia essa injustiça.

Segundo o Yalqut Reubeni, coleção de comentários cabalísticos perto do Pentateuco, compilada por R. Reuben bem Hoshke Cohen (morto em 1673) em Praga.

“Yahvé formou então a Lilith, a primeira mulher, do mesmo modo que havia formado o Adão. Da união de Adão com essa mulher, já com outra parecida chamada Naamá, irmã de Tubalcaín, nasceram Asmodeo e inumeráveis demônios que ainda atormenta à humanidade. Muitas gerações depois, Lilith e Naamá, se apresentaram ante o tribunal de Salomão disfarçadas como prostitutas de Jerusalém. ”

Adão e Lilith nunca acharam harmonia juntos, pois quando ele desejava ter relações sexuais com ela, Lilith se sentia ofendida pela postura na cama que ele a exigia. “Porque tenho de dormir debaixo de ti? Perguntava: Eu também fui feita como polvo, e, portanto, sou igual a tu. Como adão tratou a obrigava de obedecer, Lilith encolerizada, pronunciou o nome mágico de Deus, se elevou pelos ares e o abandonou.

Saindo do Éden foi a dar nas margens do Mar Vermelho (casa de muitos demônios). Ali se entregou na luxuria com esses, dando à luz aos lilim. Quando três anjos de Deus foram a buscar (Snvi, Snsvi e Smnglof) ela se negou. O céu a castigou fazendo que morressem cem de seus filhos ao dia. Desde então as tradições judias medievais dizem que ela tenta se vingar matando as crianças menores de oito dias, incircuncisos.

O romancista italiano de origem judeu Primo Levi põe na boca de um de seus personagens esta visão de Lilith:

“Ela gosta muito do sêmen do homem, e anda sempre à espera de ver aonde pode ter caído (geralmente aos lençóis). Todo o sêmen que não acaba em um único local consensual, é dizer, dento da matriz da esposa é seu: todo o sêmen que tem desperdiçado o homem ao longo de sua vida, que seja em sonhos, ou por vicio ou adultério. Te farás uma ideia de muito que recebe: por isso está sempre grávida e não fará mais que parir. ”

Lilith e Lamia

Na mitologia grega, Lamia era uma princesa amante de Zeus, com ele que teve numerosos filhos. Hera, a ciumenta esposa de Zeus, não podia se vingar de seu marido, pelo que toda a sua ira a destinava nas amantes do Deus dos deuses, e Lamia não seria a exceção.

Hera castigou a Lamia com a morte de todos seus filhos a exceção de Esquila. A morte de tida a descendência de Lamia nos relembra da maldição que envolve o abandono de Adão por parte de Lilith.

Lamia sentia inveja de outras mães e devorava seus filhos. Teria o corpo de uma serpente e os peitos e a cabeça de uma mulher

Lamia sofreu além disso, a perda de sua beleza, coisa que não o passa a Lilith, e experimentou uma transformação monstruosa que a converte em um ser de aspecto reptiliana, mas conservando sua bela cabeça de mulher. Desde então, atuando pelas noites e em vingança pelo assassinato de seus filhos, sequestra e mata os recém-nascidos. O qual é outro dos traços que se o atribuíram na Lilith hebreu já convertida em demônio da noite.

Um ícone para neopagãos e feministas

Hoje em dia, Lilith se tem convertido em um símbolo de liberdade para muitos grupos feministas e religiões neopagãs como a Wicca.

O “demônio” tem apetites sexuais, se vá na cama com quem o agrada e ninguém a detém. Personifica o gozo da sexualidade sem fim de procriação, outras das proibições habituais contra das mulheres em quase todas as culturas. Não é doce, não é dependente, não busca o amor, senão o sexo. Por isso, pode enlouquecer aos homens como uma “mulher fatal”.

Lady Lilith”, por Dante Gabriel Rossetti.

Na sua verdadeira origem, Lilith é o espirito do vento, representa a uma donzela alada de grande beleza, cuja função era conduzir aos homens ao templo de Ishtar para celebrar os rituais sexuais com as sacerdotisas virgens. A chegada da patriarquia pois fins a esses rituais pagãos celebrados no templo da Deusa, eliminando assim a fonte principal do poder feminino, ao os considerar como algo digno de ser temido por sua influência sobre os homens, e que, portanto, devia se manter sob controle.

Desse modo, a sexualidade feminina se converteu em algo diabólico. Lilith de um espirito do vento libertário passou a ser um demônio alado. Mas suas asas são um de seus atributos mais importantes, graças a elas jamais pode ser apanhada.

Personifica esse aspecto do feminino que não pode ser submetida por nada nem por ninguém porque é livre, e isso é algo que fica refletido em todos os mitos nos que aparece.

Fonte: https://mysteryplanet.com.ar/site/lilith-la-mujer-que-desafio-el-plan-de-dios/

Publicado por Ufologia & Cosmos

Sou analista de sistemas apaixonado pelos estudos da teoria dos antigos astronautas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: