Influência extraterrestre na religião

Autor: Carlos Alarcón Tarrillo

Traduzido por: Rafael Barros

Influencia extraterrestre na religião

Em 2008, o Vaticano deu umas declarações que pôs em xeque o catolicismo como religião.

O astrônomo e chefe o observatório no vaticano, o padre Gabriel Funes admitiu a possibilidade de que exista vida extraterrestre em outros planetas.

Claro que o que haja vida fora no universo não nega a crença em Deus nem sua existência, mas se o Vaticano teria dito isso há 500 anos, todos teriam morrido queimados na fogueira.

Ao menos sabem algo que seu cego rebanho desconhece. Por acaso há algo mais forte que lhes obrigou a admitir que não estamos sozinhos no universo.

Quem pode usar seu critério e percepção pode se dar conta nos grandes vazios que existem na religião seja qual seja a fé que levemos e seja qual seja o livro sagrado que lermos, sempre haverá algo que nos faça pensar naquela influencia extraterrena.

Começaremos por ver a religião mais propagada no planeta terra, o Catolicismo.

Muitos pensam que a Biblia é o primeiro livro sagrado, creem que é um livro único e original, o certo é que a bíblia se baseia em outro livro sagrado, o Talmud e esse à vez se baseia em um livro ainda mais antigo, o livro escrito em tabuletas, chamada Enuma Elish que é um poema babilônico que narra a origem do mundo.

Como se sabe a cultura Suméria ou babilônica está sendo pesquisado atualmente por antropólogos, ufólogos e historiadores do mundo desde que posto na moda a teoria de uns seres a quem lhe deram categoria de deuses e que teriam deixado mais que seu legado neste planeta, falamos dos Anunnaki, de quem se diz muito, mas ainda não temos nada concreto.

O Enuma Elish está colhido em umas tabuletas achadas nas ruinas da biblioteca de Assurbanipal (669 a.C. – 627 a.C.), em Nínive.

Os paralelismos encontrados na Biblia e no Enuma Elish é mais que interessante, a ordem da narrativa no Gênesis sustenta sinais inequívocos da influência com referido livro.

Como exemplo, o Gênesis e a lenda épica Babilônica de Gilgamesh, escrito em torno de 2000 A.C. Em Gilgamesh, encontramos a história de Utnapishtim, um homem ao que o Deus Ea te informa que a terra será destruída pelo Deus Enlil em uma explosão de cólera, afogando-o tudo em um grande diluvio.

Em resposta, Utnapishtim fabrica um grande barco de madeira, e o carrega com si mesmo, sua família, e toda classe de animais vivos. Grandes chuvas assolam a terra por seis dias, tudo é inundado e afogado exceto Utnapishtim e seu bote. Logo que águas “baixam”, Utnapishtim envia a uma pomba, logo uma andorinha, e por último a um corvo a encontrar terra seca, logo do diluvio, Utnapishtim e sua esposa são recompensados pelos Deuses e feitos deuses a si mesmo, e são levados ao céu. (O Noé não lhe foi também). Nem preciso dizer que as similaridades entre esse poema e a lenda de Noé são inconfundíveis, e é muito provável que boa parte do Genesis fosse relatado sob a influência da tradição Babilônica.

Alguns indícios encontrados no livro sagrado católico nos abre a porta na especulação já que se bem é certo que temos indícios físicos para demonstrá-los ainda se temos os textos que ainda podemos analisar.

Esses são os versículos bíblicos mais estranhos que podemos ler, os detalhes são claros, tirem vocês suas próprias conclusões:

Êxodo 13,21-22

“E estava Yahvé na frente deles, de dia em uma coluna de nuvem para os guiar no caminho e de noite uma coluna de fogo para os iluminar”.

Êxodo 14,19-20

“Se levantou o Anjo de Yahvé que marchava na frente do exército de Israel, e se pôs atrás deles. Se levantou também a coluna de nuvem à frente deles e se colocou na costa, intercalando-se assim entre o acampamento dos egípcios e o acampamento dos israelenses. Era nuvem e escuras (por uma parte), e (por outra) iluminava a noite, de modo que não puderam se aproximar aqueles a esses em toda a noite”.

Gênesis 6,1-4

“Quando os homens começaram a se multiplicar sobre a Terra e lhes nasceram filhas, e vieram os filhos de Deus e as filhas dos homens eram lindas, tomaram dente todas elas por mulheres as que lhes agradaram. Então disse Yahvé: não permanecerá para sempre meu espirito no homem, a causa de seu delito, não é mais que carne, e serão seus dias cento e vinte anos. Naqueles dias havia gigantes na terra, e também depois, quando os filhos de Deus se aproximou nas filhas dos homens e eles lhe deram filhos. Esses são os heróis, os homens famosos da antiguidade. ”

Gênesis 19,24-28

“Então Yahvé fez chover sobre Sodoma e sobre Gomorra enxofre e foto que vinha de Yahvé do céu. E destruiu aquelas cidades, e toda a planície com todos os habitantes das cidades, até as plantas do solo. Mas a mulher de Ló olhou atrás e se converter em estátua de sal. Levantou-se Abraão bem cedo e se foi ao local onde havia estado em pé diante de Yahvé. Olhou para Sodoma e Gomorra, e para toda a região da planície, e viu que daquela terra subia fumaça, como a fumaça de um forno. ” (Uma bomba atômica)

IV dos Reis 2,11-12

“Enquanto seguiam andando e falando, e aqui que um carro de foto e cavalos de fogo separaram a um do outro e subiu Elias em um redemoinho no céu. Eliseu olhava e chamava: Meu pai, meu pai, carro de Israel e sua cavalaria. E não o viu mais. ”

Daniel 10,4-6

“No dia 24 do primeiro mês, estando eu na margem do grande rio, os tigres, alces minha frente e olhei, e vi a um homem vestido de linho branco e cingido os ombros de ouro de Ufaz. Seu corpo era como o crisólito, seu rosto parecia um relâmpago, seus olhos eram como tochas de fogo, seus braços e seus pés tinham o brilho de bronze polido e o rumor de suas palavras era parecido ao estrondo de uma multidão. ”

Ezequiel 1,15-27

“E sucedeu que o ano trinta, o quinto dia do quarto mês, estando eu em meio dos cativeiros, a margem do rio Quebar, se abriram os céus, e tive visões de parte de Deus.

E no quinto dia do mês, no quinto ano da deportação do rei Joaquim, chegou a palavra de Yahvé a Ezequiel, filho de Buzí, na terra dos caldeus, junto ao reio Quebar.

E foi ali sobre ele a mão de Yahvé. Olhei, e vi como vinha do norte um turbilhão, uma grande nuvem e um jogo que se resolvia dentro de si mesmo. Ao redor dele havia um resplender e em seu centro algo semelhante a um metal brilhante que saía do meio do fogo.

No meio havia a figura de quatro seres viventes, cujo aspecto era esse: tinham semelhança de homem e cada um tinha quatro aspectos e cada um quatro asas. Seus pés eram retos, e a planta de seus pés era como a planta do touro; e brilhavam como bronze fundido.

Por baixo das asas, aos quatro lados, aos quatro lados, saiam braços de homens, todos quatro tinham o mesmo semblante e as mesmas asas, que se tocavam as de um com as do outro. Ao se mover não voltavam para trás, sendo que cada um ia de cara para frente. Seu semblante era esse: de homem por diante, tinham também, cada um dos quatros, de leão à direita, de touro à esquerda os quatro e de água atrás. Suas asas estavam destacadas para o alto; cada um tinham duas asas que se juntavam com as do outro, e dois de casa um cobriam seu corpo. Todos marchavam de frente, aonde os levava o espirito ali andavam, sem se voltar para atrás. Havia entre os viventes fogo como de brasas, acessas como tochas, que discorriam por entre eles, do fogo saiam raios. Os viventes iam e vinham como o relâmpago. E vendo aos viventes, descobri junto a cada um deles uma roda que tocava a terra. As rodas pareciam de turquesa, eram todas iguais, e cada uma disposta como se tivesse uma roda dentro de outra roda. Quando avançavam marchavam para os quatro lados, e não se voltavam a caminhar. Suas plantas eram muito altas e causavam espantos; pois as plantas estava tudo em torno cheia de olhos. Ao ir os viventes, giravam juntos a eles as rodas, e quando se levantava, da terra os viventes, se elevavam também as rodas. Para onde os levava o espirito a marchar, marchavam, e as rodas se levantavam de cada vez com eles, porque tinham as rodas espirito de vida. Quando iam eles, iam as rodas; quando eles se paravam, se paravam elas, e quando se levantavam da terra, se elevavam porque havia nas rodas espirito de vida. Sobre a cabeça dos viventes, havia uma semelhança de firmamento, como de cristal deslumbrante, que se estendia por cima de suas cabeças. E por baixo do firmamento estavam estendidas suas asas, uma frente da outra, cada um tinha dois por um lado e pelo outro; as quais os cobriam o corpo. Ouvia o ruído das asas como ruído de rio poderoso, como vez do Todo poderoso, quando marchavam, como estrondo de acampamento; quando se detinham dobravam as asas. E uma voz saía do firmamento que estava sobre suas cabeças havia uma pedra de aparência de safira a título de trono, e sobra a semelhança do trono, no alto, uma figura semelhante a um homem que se erguia sobre ele. E do que ele aparecia da cintura para cima, era como o brilho de um metal resplandecente e da cintura para baixo, como o resplendor do fogo e todo em torno seu resplandecia. O resplender que o rodeava tudo em torno era como o arco que aparece nas nuvens em dia de chuva. Essa era a aparência da imagem da gloria de Yahvé. Com tal visão cai de cara na terra, mas ouvi a voz de um que falava…”

João XXIII e Sua Experiência de Terceiro Grau

Cabe mencionar dentro deste artigo um sucesso muito chamativo que lhe aconteceu, a um dos representantes mais querido e odiados do mundo católico, marcando sua vida e concepção a respeito à cosmovisão do Universo e o homem.

Estou falando do Papa João XXIII, quem não foi somente um grande Papa para a Igreja Católica, sendo que ainda mais, foi um grande pensador e visionário, que tratou de modificar algumas das estruturas de poder que dominava o aspecto político e econômico da Igreja, mas lamentavelmente não pode, ou não o deixaram já que apareceu morto em seu leito, na forma muito inesperada e lamentável.

Outro dos aspectos importantes da figura desse Papa, é o que ocorreu na localidade de verão Papal de Castell Gandolfo em 1961 e é revelado pelo secretário e assistente papal, 20 anos depois da sua morte, a uma revista semanal inglesa.

Narra o assistente:.. “O Papa e eu estávamos caminhando através do jardim, uma noite do mês de julho de 1961, quando observamos sobre nossas cabeças uma nave muito luminosa”. “Era de forma oval e tinhas luzes intermitentes, de uma cor azul e âmbar”. A nave pareceu sobrevoar nossas cabeças por uns minutos, para logo aterrissar sobre a grama, no lado sul do jardim.

Um estranho ser saiu da nave: tinha forma humana, a exceção de que seu corpo estava rodeado de uma luz dourada e tinha ouvidos mais alongados que as nossas. Sua Santidade e eu nos ajoelhamos. Não sabíamos o que estávamos vendo, mas soubemos que o que fosse não era. Rezamos e quando levantamos nossas cabeças, o ser ainda estava ali. Isso nos comprovou que não era uma visão que vimos. O Santo Padre se levantou e caminhou para o ser; (confirmou o assistente).

Os dois estivemos em torno de 20 minutos um frente ao outro; se a via gesticular como se falavam, mas não se sentiam sons de vozes. Eles não me chamaram, pelo que permaneci onde estava e não pude ouvir nada do que falavam.

Logo, o ser se deu a volta e caminhou para a nave e em seguida se elevou. Sua Santidade deu meia volta para mim e me disse:

!… Os Filhos de Deus estão em todas as partes; embora algumas vezes temos dificuldades em reconhecer nossos próprios irmãos…!. João XXIII nunca quis contar-lhe a seu assistente o que falaram nessa experiência; depois que o ser extraterrestre retornou a sua nave e decolou, o papa e eu continuamos nosso passeio como se nada tivesse passado.

Várias vezes depois desse sucesso, sua Santidade e o assistente caminharam através do jardim, e seu olhos miravam para o céu.

“Ele nunca disse nada de discos voadores, mas estou seguro que ambos tínhamos aos visitantes extraterrestres em nossas mentes. ”

Em algumas ocasiões o Papa foi sois de passeio. Algumas vezes o assistente, estava segura de que havia Ovnis na área. “Parecia suas luzes intermitentes, mas desde que sua Santidade e eu passeamos juntos, não pude dizer se a via ou não. ”

Essa é uma experiência muito impressionante, que deixa aberto a questão para alguns, enquanto que para outros, reafirma sua existência e o contato, claro e é evidente eles não se manifestarem a qualquer pessoa.

Algumas características da personalidade de João XXIII são interessantes de conhecer:

O dia antes de ser ordenado sacerdote, de ser ungido como tal, o então jovem Ângelo Roncalli e o padre Luigi del Rosario percorreram Roma em uma longe peregrinação. Talvez não por casualidade visitou primeiramente São João de Letrão, a basílica dos mistérios, ali subiu de joelhos a escadaria santa, lá que subiu Jesus Cristo para se apresentar a Pilatos, e que elena, a mãe do imperador Constantino, mandou mover de Jerusalém a Roma.

Ao termino daquela jornada de fatiga física, mas de repouso espiritual, Ângelo Roncalli descansou longamente ante a tumba de Paulo de Tarso, por fora dos muros de São Pedro. Pela noite, em seu diário, “O Diário da Alma”, um livro de alto valor místico e conteúdos esotéricos, escreveu: “Que lhe disse ao senhor aquela tarde, ante a tumba do apostolo dos gentis. Secretum meum mihi”. Que meu segredo seja para mim! Mas não há segredo que não deva ser revelado.

Um dia, Ângelo Roncalli seria o sumo pontífice e escolheria o nome de João, pelo que muitas décadas atrás haviam demonstrado já predileção, como ficará nas profecias que ele nos transmitiu.

A Religião Védica

A raiz verbal da palavra veda pode ser interpretada de diversas maneiras, mas o significado é somente um: conhecimento. Dentro desses textos também se menciona fatos que não passam despercebidos.

O livro de Krishna, descreve com detalhe:

“O vimana podia se ver ora no céu, ora na Terra”. “Era capaz de se mover sobre a água e sob a água”. “Podia ser visível e logo invisível. ”

“Era um avião de ferro que ninguém podia destruir, tão grande como uma cidade. ”

“Podia voar tão alto e tão veloz que resultava impossível de ver, e ainda embora estivesse escuro, o piloto podia o conduzir na escuridão. ”

No Mahabarata se explica, inclusive, o funcionamento, a forma e os sistema de propulsão dos Vimanas, para os que se empregava a anti-gravitação e também determinados líquidos e sons. Pura tecnologia aeroespacial desenvolvida há milhares de anos.

Outro livro, o Srimad-Bagavatham, marra que um sábio chamado Kardam desenvolveu uma dessas naves, a que fazia se mover e voar a sua vontade: “Tal como o ar passa sem controle em todas direções, assim ele viajou dessa maneira por diversos planetas”, explica esse texto sânscrito.

Também podemos encontrar um componente bélico de forma muito marcada. Segundo os Vedas, os Vimanas eram capazes de implementar um poder destruído bárbaro graças a umas armas batizadas como Astras e que nos recordam nas modernas bombas atômicas: “podiam fazer brilhar a noite como se fosse dia” e que “sua luz era de mil sois quando explodiam”. Assim descreve o Mahabarata a batalha que enfrentou o guerreiro Arjuna – um grande herói – contra multidões de asuras (demônios):  “Indra, senhor do céu, exigiu a Arjuna que destruísse todo o exército dos asuras. Esses trinta milhões de demônios viviam em fortalezas situadas nas profundezas dos mares. Indra, senhor do céu, cedeu a esse efeito sua própria vimana a Arjuna, pilotado por seu hábil ajudante Matali. Na feroz batalha que seguiu, os asuras provocaram chuvas diluviais, mas Arjuna lhes opôs uma arma divina que conseguiu desidratar toda a água. ” … “Arjuna disparou um projetil mortal que destruiu a cidade inteira em mil pedaços, deixando cair os fragmentos sobre a terra. ”

(Foi alguma bomba atômica)

Conclusão:

Toda a história da humanidade se tem visto relacionada com fatos que ainda desconhecemos ou que se nos oculta, o certo é que existem indícios, mas também é que certo que para muitas pessoas o saber essa verdade – que já não se pode cobrir -, pode ser muito catastrófico, romperia com os sucessos da história, ciência e religião, seria muito custoso para os que possuem o poder, como lidariam com todo esse caos, cada dia encontramos novas evidencias e feitos que nos fazer pensar que nossa própria história como raça está sendo mais que observada, podemos ver evidencias de todo tipo em todos os lados, e de qualquer forma, tanto que os grandes poderes devem que aceitar que há algo mais aqui ou ali e em todos os lados. A verdade seguira saindo na luz aos poucos, como em uma goteira, simplesmente nos resta estar alerta física e espiritualmente, para talvez não o aceitar tudo como uma verdade, mas vamos continuar investigando e buscando essa realidade que as vezes estamos a perder das mãos.

Fonte: https://exploracionovni.com/2014/02/influencia-extraterrestre-en-la-religion/

Publicado por Ufologia & Cosmos

Sou analista de sistemas apaixonado pelos estudos da teoria dos antigos astronautas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: